domingo, março 16, 2008

Canção do amor imprevisto



Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos...

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita...

A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.

Mario Quintana

Foto:Yuri Bonder

3 comentários:

Menina_marota disse...

Tens um desafio para ti...

Beijinho e bom domingo ;)

Fatyly disse...

Gostei do tempo que aqui estive calmamente... lendo e apreciando as fotos.

Foi bom e a originalidade de Mia Couto merece 5*****.

Um bom domingo!

Beijocas

Paula Raposo disse...

Adorei!! Tão fácil sentir assim...a foto está sensualíssima.