domingo, dezembro 02, 2007

Ecloga



Sonhei
contigo embora nenhum sonho
possa ter habitantes, tu a quem chamo
amor, cada ano pudesse trazer
um pouco mais de convicção a
esta palavra. É verdade o sonho
poderá ter feito com que, nesta
rarefacção de ambos, a tua presença se
impusesse - como se cada gesto
do poema te restituísse um corpo
que sinto ao dizer o teu nome,
confundindo os teus
lábios com o rebordo desta chávena
de café já frio. Então, bebo-o
de um trago o mesmo se pode fazer
ao amor, quando entre mim e ti
se instalou todo este espaço -
terra, água, nuvens, rios e
o lago obscuro do tempo
que o inverno rouba à transparência
da fontes. É isto, porém, que
faz com que a solidão não seja mais
do que um lugar comum saber
que existes, aí, e estar contigo
mesmo que só o silêncio me
responda quando, uma vez mais
te chamo.

Nuno Júdice

Foto:Yuri Bonder

7 comentários:

Paula Raposo disse...

Mais um dos bonitos poemas de Nuno Júdice. A foto linda!!

Paula Raposo disse...

Isabel! Hoje posso fazer tchim tchim??!! Beijinhos.

Fatyly disse...

A parte final é soberba! A foto é linda e nada como saborear a natureza da forma que entendermos.

Bom domingo*

Isabel-F. disse...

Querida Wind,
Hoje é um dia especial. É o teu dia. Parabéns.
Desejo-te tudo de bom na tua vida, sempre com muita saúde, junto de todos a quem amas. Muitas Felicidades HOJE e SEMPRE.

Beijinhos com amizade e carinho

Lumife disse...

Também me quero associar ao dia especial. Votos de muitas felicidades e que a vida te traga tudo de bom.
Conta com os amigos (inúmeros) que tens na blogosfera.

Beijinhos

papagueno disse...

Lindíssimo poema, a foto já nem comento.
beijos e bom domingo.

António disse...

Parabéns pelo teu 35º aniversário!
ihihihih
És quasi da minha idade: tenho 39...

Um xi-coração muito apertado