quinta-feira, dezembro 20, 2007

Anjos da memória – V



Os anjos alados
da memória

com as suas asas
de pérgula
e medronho

a voarem noite dentro,
pelo sonho

Serás de branco
despojada de tudo
à cabeceira

por detrás do meu ombro
anjo mudo

Serás de branco
despojada de tudo,

asas supostas
de ti
à minha beira

O pássaro cintilante
da tua nudez
(uma matriz calada)

Da tua nudez

Com os teus seios
de anjo
sob as asas

A tomares conta
da memória

És um passaro – digo
És um pássaro

com penas
cintilantes
dos teus olhos

As tuas asas
de pétalas

tecidas com a luz
das penas
das asas que te crescem

Poisar um pouco
nos parapeitos
da memória

antes de recomeçar
o voo
de regresso a casa

Com as nossas asas
lúcidas:
translúcidas e pálidas

Deixa-me voar
por cima do teu
colo

até ir poisar
na tua alma

É a memória,
dos teus dedos pisados
nas asas dos meus ombros

Entrelaçados
Enlaçados

Como entranças
os sonhos

As tuas asas de prata
que atravessam a voar
o território
brando
das minhas lágrimas

Este

é o inconsciente
dos teus olhos
de águas postas – de águas sobrepostas

– rente

à meiga – à mansíssima
racha
do teu ventre

Em voo raso
perto da sua boca:

A ouvir a memória...

Há um ruido de
asas
que te é próximo

um odor a flor,
a framboeza

um sabor a leite
e a morango
numa uterina luz de penumbra acesa

Um pouco acima
dos teus olhos,
como um pássaro

a voar por dentro,
bem por dentro
do interior dos lábios...

do corpo

A parte que é
anjo
do teu corpo

e me procura a meio
da madrugada

Sobrevoando o lago
que é suposto
ser no meu sono
aquilo que calava

A parte que é
anjo
do teu corpo

e me visita
a meio da madrugada

descansando as asas
dos teus ombros,
a meu lado:
em cima da almofada

Voava,
com a memória
das asas

no sentido inverso
do silêncio

e do sono

Oiço atrás de mim,
o breve respirar
das tuas asas

– quase imperceptivel –

Um ligeiro arfar
Como a brisa a passar
por entre as casas

Maria Teresa Horta

Foto:Vezon Thierry

7 comentários:

Isabel-F. disse...

Não conhecia ...

bem lindo o poema.

beijinhos

Rômulo e Remo disse...

-V-...Foi só+um sonho!

Sombra do Sol disse...

Olá boa noite, passando para desejar um Feliz Natal!! Pena que hoje em dia perdeu um pouco o significado do Natal, eu vejo o Natal como um momento cada vez menos dedicado ao (re)nascimento, e cada vez mais puramente competitivo, no sentido comercial. O Natal é hoje, em muitas ocasiões, apenas um festival de trocas materiais e, por isso, cada vez mais uma cerimônia de continuidade, e não de pausa. Poucos são os que realmente renascem no Natal: o ritmo robótico a que nós próprios reduzimos a nossa existência, não bonifica a imaginação, mas valoriza quem contribui para o ciclo. Mas ainda a tempo de ver um raio de luz nascendo no horizonte de nossas vidas, um fio de esperança apontando o futuro. Ainda há um resto de fé e este é o tempo para multiplicá-lo. Porque o Natal é renascimento, é o encontro da paz, é busca do amor: é a comunhão com Deus. É a ternura de um menino nascendo, é um sentimento maior que ainda podemos exercitar. Tenha um Natal repleto de muita paz, saúde e luz, e que em 2008 possamos realizar todos nossos sonhos. Abraços fraternos do amigo.
http://sombradosol.zip.net/

Hindy disse...

Estou quase de partida!

Um sorriso hindyado

papagueno disse...

Sempre em grande a MTH. Mais uma vez, grande foto.
Bjks

Paula Raposo disse...

Só me resta dizer : Sublime!!!

Fatyly disse...

Um magnífico poema!*********