domingo, dezembro 23, 2007

Coisa abstracta



Já tomou conta de mim, o receio,
Essa dor.
A antecipação...
Pisa forte, fundo nas minhas entranhas,
nos meus sentidos.
A profundidade...
Entra, cava, abre caminhos, não pede licença.
A eterna angústia...
Me sacode, derruba, suga energia, machuca,
Não pede perdão.
Depois me afaga, me embala, me anima, embriaga
A felicidade...
Antes, porém, se define, se retrata, quase me mata.
É coisa abstrata...
Paixão.

Claudia Letti

Foto:Elena Vasilieva

2 comentários:

Paula Raposo disse...

Sem dúvida que concordo!! A foto é excelente. Beijos.

Isabel-F. disse...

vim dar-te um beijinho ...


gostei do poema que não conhecia