segunda-feira, novembro 15, 2010

Não é música



Não é música o que ouvimos.
Não é de água este brilho de prata.

Eu estou aqui sobre as pontes do rio.
Outros são os que espreitam pela bruma das margens.

Talvez me lembre:
tu vinhas devagar pelo lado das acácias.
Cingias cada árvore e as colunas, os braços de um
deus cruel, o saber dos templos.

Não é um salmo o que ouvimos.
Não é de harpas este lamento,
não é o ofício das mãos esculpindo um rosto,
não é a palavra de deus que ecoa nas escarpas.

Algures te ocultas e não deixas sinais.
Quem és tu
cujo perfil se desvanece, cuja doçura se perde nos
confins da tarde?

Eu estou aqui onde se unem as margens, onde escurecem
as sendas e as sombras,
onde correm as nuvens, as pedras, as águas.

Outros são os que te aguardam pelo lado das acácias.

José Agostinho Baptista

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Profundo e com uma mensagem fabulosa. Não conhecia.

Beijocas e um bom dia

Observador disse...

Não conheço este senhor que tão bem escreve.

É fundamental que possamos tirar ilacções dete escrita.

Bj

Nilson Barcelli disse...

Gostei.
Beijos.

Paula Raposo disse...

Adoro este Poeta! Tenho 3 livros dele, qual deles o mais belo.
Beijos.