quinta-feira, novembro 25, 2010

Chuva



Ergue-te ó chuva
nos olhos das manhãs
inquietantes de deus

reflexo indecifrável
esculpido no tempo
estala entre
o imenso consolo
das nossas poderosas emoções
e o pavor que trazemos
aos gritos no crepúsculo
de ti debruçada
sobre os campos
sobre a fome

ergue-te
acende no olhar
a carícia das flores
encantada janela de deuses
voltada às estrelas
de onde caem nenúfares
camélias flores de papel...

sentes-te só
miraculosamente viva
corajosa recordas em silêncio
a piedade que resta
aos espíritos da água
misteriosos como pingos
preciosos cintilantes
na angústia humilde
da transformação

deixai falar a alma
transfigurada adormece a chuva
nos olhos inquietantes de deus

vulto cinzento de sombras
a tua valiosa máscara
esconde no nevoeiro pálido
o martírio a graça o corpo
de quem se despe de vida

ergue-te ó chuva
em gemidos
escavas e beijas as fontes
buscas os olhos de deus
indo sozinho anseia
em teus braços molhados adormecer...

redimido em
cristalinas lágrimas
onde navegaram
ensombrados os meus sonhos
de rir de cruzes de batalhas

és a sombra desenhada
pelas águas tuas
num jardim desfeito
de tanta ilusão incompleto
ergue-te ó chuva!

Henrique Levy

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Amélia disse...

Não conhecia o poeta e presumo que é português, dado que normalmente só publica bons poemas portugueses. Conforme-me só a minha suposição.Bom fim de semana!

wind disse...

Amélia retirei deste sítio:
http://poesiaseprosas.no.sapo.pt/poetas.htm.

Entretanto também tirei isto da net:
"Henrique Levy
Nasceu em Lisboa onde é professor. Iniciou a sua actividade profissional no Oriente. Peregrinou por vários países da África Austral, da Ásia e da Europa. É autor de dois livros de poesia editados pela Europress, Mãos Navegadas e Intensidades, o primeiro com edição em italiano pela editora Pietro Chegai Editore. Cisne de Africa é o seu primeiro romance.".

Observador disse...

Henrique Levy é um homem do mundo. Escreve bem, com sentimento.

Nice photo!

Bj

Fatyly disse...

Já li alguma coisa de Levy mas não conhecia este poema. Gostei imenso!

Beijocas e um bom serão