sexta-feira, setembro 21, 2007

Quando partimos e acenamos junto ao rio



Quando partimos e acenamos junto ao rio
quando o barqueiro alcança a outra margem
quando respiramos o perfume dos campos em flor
na outra margem

o dia amanhece e nenhum baixio
nenhum barco e nenhuma jangada
não vagueiam pela água
não movem nenhuns montes
não separam nenhumas águas
não escurecem o dia
e nenhuns animais dão companhia
noutro lugar

para lá ou para cima e para baixo
para longe daqui
entrar na água ela leva-nos
quando nadamos e mergulhamos
seguindo peixes que nos conduzem
para lá para cima ou para baixo

Barqueiro e tu rio
aproximai-vos
agarrai-me
deixai-me ir para o outro lado
o bilhete
o preço
pago pela palavra
por uma palavra
pago
à letra.

Eva Christina Zeller (tradução:Maria Teresa Dias Furtado)

Foto:Igor Amelkovich

2 comentários:

Paula Raposo disse...

Gostei imenso deste poema acompanhado de mais uma escolha fantástica de fotografia! Beijos.

sonia r. disse...

Já está frio Isabel...lololol.
Bom fim de semana e um bjinho grande dos 3.