sábado, abril 23, 2011

Sobre flancos e barcos



Havia ainda outro jardim o da minha vida
exíguo é certo mas o do meu olhar
são talvez dois pássaros que se amam
um sobre o outro ou dois cães de pé
é sempre a mesma inquietação

este delírio branco ou o rumor
da chuva sobre flancos e barcos
o inverno vai chegar
sobre a palha ainda quente a mão
uma doçura de abelha muito jovem

era o sopro distante das manhãs sobre o mar
e eu disse sentindo os seus passos nos pátios do coração
é o silêncio é por fim o silêncio
vai desabar

Eugénio de Andrade

Foto:Eli

3 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Eugénio de Andrade, sempre magnífico.
Páscoa feliz.
Beijos.

Fatyly disse...

Uma ternura...e lá descobres estas pérolas.

Beijocas e um bom sábado

Observador disse...

E não é que meia dúzia de linhas dizem tanto?

Lindo!