domingo, outubro 19, 2008

O amor que sinto



O amor que sinto
é um labirinto.

Nele me perdi
com o coração
cheio de ter fome
do mundo e de ti
(sabes o teu nome),
sombra necessária
de um Sol que não vejo,
onde cabe o pária,
a Revolução
e a Reforma Agrária
sonho do Alentejo.
Só assim me pinto
neste Amor que sinto.

Amor que me fere,
chame-se mulher,
onda de veludo,
pátria mal-amada,
chame-se "amar nada"
chame-se "amar tudo".

E porque não minto
sou um labirinto.

José Gomes Ferreira

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Fatyly disse...

Fantástico este sentir poético.

Bom domingo****

Paula Raposo disse...

Uma maravilha de poema! Somos mesmo um labirinto!! Beijos.

Lumife disse...

"E porque não minto
sou um labirinto."

Faço minhas as palavras do Poeta.

Bom domingo.


Bjs.