sexta-feira, outubro 03, 2008

***



Antes de amar-te, amor, nada era meu
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda

Foto:Yuri Bonder

5 comentários:

Alien8 disse...

E este é só do Neruda :)

Beijos, Wind.

Fatyly disse...

O amor move montanhas.

Bom dia*********

Paula Raposo disse...

Tão fantasticamente belo!!!

Menina_marota disse...

Pablo Neruda... só pode ler-se e reler-se assim...
Grata pela partilha.

Um abraço carinhoso e bom fim de semana ;)

peciscas disse...

O Amor tem o condão de nos transformar e de nos engrandecer.