segunda-feira, novembro 12, 2012

Meio-dia



Meio-dia. Um canto da praia sem ninguém.
O sol no alto, fundo, enorme, aberto,
Tornou o céu de todo o deus deserto.
A luz cai implacável como um castigo.
Não há fantasmas nem almas,
E o mar imenso solitário e antigo
Parece bater palmas.


Sophia de Mello Breyner Andersen

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Observador disse...

Em jeito Facebook ... 'like'.

Bj

Nilson Barcelli disse...

Eu é que bato palmas à poesia da Poeta.
Isabel, tem uma boa semana.
Beijinhos.

Fatyly disse...

Muito bonito!

Beijocas