segunda-feira, fevereiro 14, 2011

Uma flor de verde pinho



Eu podia chamar-te pátria minha
dar-te o mais lindo nome português
podia dar-te um nome de rainha
que este amor é de Pedro por Inês.

Mas não há forma não há verso não há leito
para este fogo amor para este rio.
Como dizer um coração fora do peito?
Meu amor transbordou. E eu sem navio.

Gostar de ti é um poema que não digo
que não há taça amor para este vinho
não há guitarra nem cantar de amigo
não há flor não há flor de verde pinho.

Não há barco nem trigo não há trevo
não há palavras para dizer esta canção.
Gostar de ti é um poema que não escrevo.
Que há um rio sem leito. E eu sem coração.

Manuel Alegre

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Um grande poema...mas ainda não consigo reler convenientemente:) por ainda não ter conseguido separar as águas do poeta que é do triste político que nunca deveria ter sido!

A foto é bela!

Beijocas

Observador disse...

Gosto muito de Manuel Alegre.

Mais do poeta do que do político.
Mas isso levava-nos a outras paragens o que agora não interessa nada.

:)

Nilson Barcelli disse...

Um poema que permanecerá na nossa memória por muito anos.
Bela escolha.
Do poema e da foto.
Beijo.

Paula Raposo disse...

Adoro este poema!!