segunda-feira, fevereiro 07, 2011

Louvado seja o génio da noite



Lenta declina a luz e a noite vai
Entrando azul no tardo entardecer.
Vaga e intérmina uma folha cai;
Subtil suspira um deus nesse descer.

De uma névoa lilás a lua sai
E quebra-se no mar sem se mover.
Sons e cores, vibrações, tudo se esvai
Num lânguido desejo de morrer.
Castidade da noite absoluta,
Num galho imaterial um silfo escuta
O segredo das flores que estão sonhando.
Êxtase. A eternidade passa perto.
Gotejam astros. O mundo está deserto.
Só eu existo, fantástica....esperando....

Natália Correia

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Fatyly disse...

Num galho imaterial um silfo escuta
O segredo das flores que estão sonhando
....................
um magnífico poema com uma ilustração escolhida a dedo. Adorei!

Beijocas e um bom dia

Paula Raposo disse...

Gostei imenso! Beijos.

Observador disse...

Quem não gosta?
Belíssima foto.

Bj