sábado, julho 24, 2010

Cidadania



Buquê de ruídos úteis
o dia. O tom mais púrpura
do avião sobressai
locomovida rosa pública.

Entre os edifícios a acácia
de antigamente ainda ousa
trazer ao cimo a folhagem
sua dor de apertada coisa.

Um solo de saxofone excresce
mensagem que a morte adia
aflito pássaro que enrouquece
a garganta da telefonia.

Em cada bolso do cimento
uma lenta aranha de gás
manipula o dividendo
de um suicídio lilás.

Natália Correia

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Paula Raposo disse...

Belíssimo! Grande Natália!
Beijos, Isabel.

Observador disse...

Natália é Natália.

Bonita a imagem.

Obrigado, Wind.

Fatyly disse...

A força de Natália...Magnífico poema e a foto é uma delícia.

Beijocas