quinta-feira, março 31, 2011

Não encontro o retrato



Não, não encontro o retrato.
Estavas de perfil, a luz de cinza
caía-te dos braços,
da casa próxima o fumo

subia devagar os últimos degraus
do outono, um cachorro
saltava no terreiro, não tardaria
a escurecer.

Estavas de perfil, a mão acompanhando
no regaço a rosa que te dei.
Deixa-a ficar e ser,
a mão, rosa também.

Eugénio de Andrade

Imagem retirada do Google

2 comentários:

Observador disse...

O retrato estava na ... memória.

Bjs

Fatyly disse...

Lindissimo e de facto o que se guarda no coração é algo inexplicável!

Beijocas