sábado, junho 12, 2010

Nova canção do exílio



Minha amada tem palmeiras
Onde cantam passarinhos
e as aves que ali gorjeiam
em seus seios fazem ninhos
Ao brincarmos sós à noite
nem me dou conta de mim:
seu corpo branco na noite
luze mais do que o jasmim
Minha amada tem palmeiras
tem regatos tem cascata
e as aves que ali gorjeiam
são como flautas de prata
Não permita Deus que eu viva
perdido noutros caminhos
sem gozar das alegrias
que se escondem em seus carinhos
sem me perder nas palmeiras
onde cantam os passarinhos.

Ferreira Gullar

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Gosto tanto deste poema e a imagem parece a minha Ilha do Mussulo:)

Mas e o que dizer deste?

"Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade noite a girar
Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra, vai pela serra, vai pelo mar
Cantando pela serra do luar
Correndo entre as estrelas a voar
No ar, no ar…" - Ferreira Gullar

polittikus disse...

Adorei o poema...

Observador disse...

Não conhecia o texto nem Ferreira Gullar.

Mas gostei.
Diz algo não muito superficial.

Kiss

Pitanga Doce disse...

Só conhecia a primeira versão da Canção do Exílio. E é linda. Esta é bem diferente mas é bonita também.

E vejo mais abaixo a letra de Trenzinho Caipira de Vila Lobos e Ferreira Gullar.

É a música brasileira no seu melhor.

Boa tarde WIND.