quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Resgate



Há qualquer coisa aqui de que não gostam
da terra das pessoas ou talvez
deles próprios
cortam isto e aquilo e sobretudo
cortam em nós
culpados sem sabermos de quê
transformados em números estatísticas
défices de vida e de sonho
dívida pública dívida
de alma
há qualquer coisa em nós de que não gostam
talvez o riso esse
desperdício.
Trazem palavras de outra língua
e quando falam a boca não tem lábios
trazem sermões e regras e dias sem futuro
nós pecadores do Sul nos confessamos
amamos a terra o vinho o sol o mar
amamos o amor e não pedimos desculpa.

Por isso podem cortar
punir
tirar a música às vogais
recrutar quem vos sirva
não podem cortar o verão
nem o azul que mora
aqui
não podem cortar quem somos.



Manuel Alegre (
Águeda 23/12/2012 ) visto na Eli

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Um grito de revolta que gostei...mas agora não consigo separar o poeta do político da tanga e ineficaz que tem sido.

Beijocas

wind disse...

Há que saber separar as águas:)

Observador disse...

A poesia de Manuel Alegre tem um enorme valor.

FireHead disse...

Não gosto nem um pouco do Manuel Alegre. Até tento abrir uma excepção na área da poesia, mas é-me difícil. :/