sábado, fevereiro 23, 2013

Folhas



Era uma folha pousada
no cotovelo do vento;
e pairava, deslumbrada,
entre morte e movimento.

Era uma folha: lembrava,
de tão frágil, o momento
em que a vida ficava
escrava do teu juramento.

Era uma folha: mais nada.
Antes fosse esquecimento!

David Mourão-Ferreira

Imagem retirada do Google

6 comentários:

Observador disse...

As folhas são mesmo frágeis.

Bj

Nilson Barcelli disse...

Mestria no uso das palavras... até faz inveja, este Poeta.
Isabel, tem um bom domingo e uma óptima semana.
Beijo.

PS: quando retiras a arreliadora verivicação de palavras?

wind disse...

Não posso retirar porque se tiro entram comentátios SPAM.

FireHead disse...

Este poema faz-me lembrar o Outono. Não me importava mesmo de voltar atrás no tempo, de preferência uns bons anos que é para alterar o rumo dos acontecimentos. Mas, também, se soubesse o que hoje sei, não seria quem hoje sou. :)

wind disse...

Claro:)

Fatyly disse...

Que magnífica metáfora...folha...pois é..."antes fosse esquecimento!

Não conhecia e adorei!

Beijocas