terça-feira, fevereiro 16, 2010

A palavra seda



A atmosfera que te envolve
atinge tais atmosferas
que transforma muitas coisas
que te concernem, ou cercam.

E como as coisas, palavras
impossíveis de poema:
exemplo, a palavra ouro,
e até este poema, seda.

É certo que tua pessoa
não faz dormir, mas desperta;
nem é sedante, palavra
derivada da de seda.

E é certo que a superfície
de tua pessoa externa,
de tua pele e de tudo
isso que em ti se tateia,

nada tem da superfície
luxuosa, falsa, acadêmica,
de uma superfície quando
se diz que ela é “como seda”.

Mas em ti, em algum ponto,
talvez fora de ti mesma,
talvez mesmo no ambiente
que retesas quando chegas,

há algo de muscular,
de animal, carnal, pantera,
de felino, da substância
felina, ou sua maneira,

de animal, de animalmente,
de cru, de cruel, de crueza, que sob a palavra gasta
persiste na coisa seda.

João Cabral de Melo Neto

Foto: A. Brito

5 comentários:

Fatyly disse...

Achei um pouco compacto e monótono:( mas a foto está um espectáculo.

Beijocas

Paula Raposo disse...

Maravilhoso poema! Adorei. Beijos.

polittikus disse...

Confuso. Mas gostei.

O Rasteirinho disse...

Muito bonito. É um prazer visitar este espaço pela primeira vez.

Um beijito do Rasteirinho.

Hindy disse...

Absolutamente delicioso! E a foto maravilhosa!

Um beijinho hindyado