quarta-feira, abril 24, 2013

Écloga



Encontrei o segredo, a chave de vidro
das palavras que escrevo; e tenho medo.
Talvez nos campos imensos, onde o lírio floresce,
na margem de rio que abriga, de manhã cedo,
os teus pés de ninfa, num engano de idade,
me tenhas visto à sombra de um rochedo;
e se os teus lábios, entreabertos num torpor
de romã, me tocaram num sonho bêbedo,
deles só lembro, imprecisos, fluxos
de incêndio numa hipótese de amor.


Nuno Júdice

Imagem retirada do Google


8 comentários:

FireHead disse...

Lá está, é a tal coisa: mas as ninfas afinal têm pés??? Onde é que elas andam que é para eu confirmar isso? :P

wind disse...

Ai rapaz, descontróis tudo.lololol

Observador disse...

Ninfas com pés?

Há pois! Já as vi. E são uns borrachos do caraças pá.

Ali p'rós lados da Costa de Caparica são aos montes.
E mais não digo ;)

Isabel, toma lá um 'xoxo' e desculpa qualquer coisinha ;)

Observação do Observador: não podes acabar com as letras cá em baixo? Irra!!!

wind disse...

Não, já te expliquei que tentei e entram-me comentários de SPAM, é uma chatice, tenho de ter as letras.

Fatyly disse...

Magnífico poema e mais uma vez gargalhadas para o Fire:):):)

Beijos

Observador disse...

E não podes activar a moderação de comentários?

;)

wind disse...

Não gosto de moderar os comentários.

wind disse...

E ia dar ao mesmo, apareciam os SPAM.