terça-feira, abril 16, 2013

Ausente



Eu queria estar ausente,
simplesmente ausente
ou nulo,
como corda de viola, por tanger,
sem que nada se prendesse ao meu olhar
ou às mãos,
e que o presente
fosse o instante de esquecer.

Manuel Filipe, in"À Beira de Cesário", pág.67

Imagem retirada do Google

2 comentários:

Fatyly disse...

Ausências que por vezes ocorrem...

Beijocas

Observador disse...

Tristeza estampada no texto.
:(

Bj