terça-feira, janeiro 24, 2012

Sempre a aprendizagem do sossego



Sempre a aprendizagem do sossego
a evidência enigmática do silêncio
não mais do que um esboço a furtiva sombra
da cor futura a ínfima inscrição
do pólen

a concha de sangue a sombra de uma folha
o murmúrio de um delicado insecto
a confiança de um segredo que é espaço
a adesão às linhas de uma pedra pura

um abrigo da terra a semelhança
uma sombra de vermelho ocre
a circulação da matéria o puro sabor
de um fruto azul o natal letargo
dentro do lúmen

António Ramos Rosa

Imagem retirada do Google

2 comentários:

Observador disse...

Mais um magnífico trabalho do teu preferido António Ramos Rosa.

Gostei.

Beijo

Fatyly disse...

Profundo e sempre sentido! Gostei imenso!

Beijocas