segunda-feira, janeiro 02, 2012

Ó véspera de prodígio



Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é étero num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o amor tem asas de ouro. Ámen.

Natália Correia

Imagem retirada do Google

3 comentários:

Fatyly disse...

Também "creio...Ámen"...e que maravilha de poema.

Beijocas e um bom dia

Observador disse...

Obrigado, Isabel.
Obrigado, Natália Correia.

Quando vejo uma gaivota lembro-me de um romance de Richard Bach, publicado em 1970. "Jonathan Livingston Seagull".
Mais tarde surgiria o filme com o mesmo nome. Magistral.
Imagem soberba e banda sonora a cargo de Neil Diamond.
O nome em português é 'Fernão Capelo Gaivota'.

wind disse...

Conheço isso tudo perfeitamente:)