terça-feira, dezembro 06, 2011

Saúdo a tua sombra



Saúdas a tua sombra
na tua escadaria da noite
Enches os cântaros matinais
com a água azul das derradeiras estrelas
Preparas assim a coluna vertical do dia
mas tens de entrelaçar os signos do vento
e atravessar as silentes passadeiras da água
em que tens de dizer o que na língua oscila
como um talismã incerto que resvala na garganta
És tão anónimo que não sabes que pedra ou ramos hás-de
oferecer
aos vivos para que não se afundem num pântano
É então que inventas uma constelação em forma de barco
e regressas à rugosa identidade terrestre

António Ramos Rosa

Imagem retirada do Google

2 comentários:

Observador disse...

E lá vem o António Ramos Rosa.

Uma vez mais com um texto magnífico.

Bj

Fatyly disse...

Uma maravilha!

Beijocas