domingo, dezembro 18, 2011

Rangia entre nós dois a música da areia



Rangia entre nós dois a música da areia
como se fosse Agosto a dedilhar um sistro
Agora está fechada a casa onde te amei
onde à noite uma vez devagar te despiste

Floresça o clavicórdio em pleno mês de Outubro
Na harpa de Setembro entrelaçou-se a vinha
A que vem de repente entre os dois este muro
feito de solidão de sal de marés vivas

Podia conjurar-te a que não me esquecesses
mas é longe do Mar que os navios são tristes
De que serve o convés com a sombra das redes

Quis a tua nudez. Não quis que te despisses

David Mourão-Ferreira

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Lindissimo e com um final fantástico.

Beijos e um bom domingo

mfc disse...

Sorrio sempre que leio DMF...

Paula Raposo disse...

Uma beleza!!

Observador disse...

Uma maravilha.