sexta-feira, dezembro 30, 2011

Já folheias o corpo as folhas mudas



Já folheias o corpo as folhas mudas
com a mão no silêncio me descobres
e me tomaste todos os sentidos
ó insensato ouvido

pois em folha te deito lençol leito
no coração da trégua te desenho
serás amanhecendo uma outra letra
ó demorada boca

já tudo te permites mesmo o espanto
da cor inesperada que tiveram
por um momento as tuas mãos em vidro
irreflectidas

visto melhor verás o prateado
reverso da floresta
e o amor que permites nele inscrito
ó cautelosa gente

António Franco Alexandre

Imagem retirada do Google

2 comentários:

Fatyly disse...

Há que ver sempre melhor e mais além. Gostei imenso.

Beijocas

Observador disse...

Sim senhora, gostei.

Bom 2012!

Bj