segunda-feira, janeiro 05, 2009

Prescrição para males de amor



"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer"

Ah Camões
Se vivesses hoje em dia
Tomavas uns anti-piréticos
Uns quantos analgésicos
E Xanax ou Prozac para a depressão
Compravas um computador
Consultavas a página do Murcon
E descobririas
Que essas dores que sentias
Esses calores que te abrasavam
Essas mudanças de humor repentinas
Esses desatinos sem nexo
Não eram feridas de amor
Mas somente falta de sexo.

Encandescente, in"Encandescente", pág.5, Colecção Polvo

Imagem retirada do Google

5 comentários:

Paula Raposo disse...

É isso. O humor da Encandescente...beijos.

Fatyly disse...

Como faz falta neste mundo de cabos esta grande poetisa e ou mais livros editados.
Um poema sensacional!

Beijos e um bom dia

Nilson Barcelli disse...

Interessante.
Já tinha lido muito parecido doutro autor.
Uma semana boa para ti.
Beijo.

Paulo Sempre disse...

Saudade....

Paulo

Su disse...

a foto..................comigo


opsss estou a ficar assim:)



jocas maradas.sempre