segunda-feira, novembro 18, 2013

Tu és como uma terra


Tu és como uma terra
que ninguém jamais disse.
Tu não atendes nenhuma
senão aquela palavra
que do fundo brotará
como um fruto entre os ramos.
Há um vento que te toca.
Coisas secas e re-mortas
te chocam e vão no vento.
Membros, palavras antigas.
Tu tremes pelo estio.

Cesare Pavese

Imagem retirada do Google

2 comentários:

FireHead disse...

Outro poema bucólico. A arranhar mesmo o panteísmo. Um ode à Natureza. :)

Fatyly disse...

QUE MARAVILHAAAAAAAAAAAA:)

Beijocas