sexta-feira, novembro 04, 2011

À noite ser (materiais para confeção de um espanador de tristezas)



Dedos quietos que crescem
pele nua
brincadeiras como o amor
pêndulo solto de sonhos
lógicas sacudidas
olhar de só-assim
modos de chegar como sementes
manobras de artesão contra o ego
desafio do «eu»
nudez de pele
de mãos
e (sob os teus olhos)
invenção de um sólido espanador de tristeza.

Ondjaki

Foto:Yuri Bonder

4 comentários:

Observador disse...

Um texto muito interessante, complementado por um magnífico "jogo corporal" como tanto gosto.

Bjs

Fatyly disse...

Já o conhecia e não me canso de o ler! Lindissimo!

Beijocas e um bom serão

mfc disse...

A pele e a sua imensa beleza e sedução!

Nilson Barcelli disse...

Se houvesse um sólido espanador para esta crise que nos assola...

Excelente escolha poética.
Gostei.

Querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijos.