quarta-feira, novembro 30, 2011

Namorados de Lisboa



Namorados de Lisboa,
à beira Tejo assentados,
a dormir na Madragoa.
Namorados de Lisboa,
num mirante deslumbrados,
à beira verde acordados.
Namorados de Lisboa,
ao Domingo uma cerveja,
uma pevide salgada,
uma boca que se beija
e que nos sabe a cereja,
a miséria adocicada,
à beira parque plantada.
Namorados de Lisboa,
sempre, sempre apaixonados,
mesmo que a tristeza doa,
namorados de Lisboa.
Namorados de Lisboa,
na cadeira dum cinema,
onde as mãos andam à toa,
à procura de um poema,
namorados de Lisboa,
que o mistério não desvenda
até que o escuro se acenda.
Namorados de Lisboa,
a apretar num vão de escada
o prazer que nos magoa
e depois não sabe a nada.
Namorados de Lisboa,
a morar num vão de escada.
Namorados de Lisboa,
sempre, sempre apaixonados,
mesmo que a tristeza doa,
namorados de Lisboa.

Ary dos Santos

Imagem retirada do Google

3 comentários:

mfc disse...

Namorados = a vida!

Observador disse...

Que grande texto do Ary!

Na foto, apesar da neblina, consegue vislumbrar-se a Ponte Vasco da gama, certo?

Bj

Fatyly disse...

Apesar de não gostar de Lisboa, adoro este poema de Ary:) e a foto está lindissima! Será que ele gostaria de ver a actual Lisboa? Acho que diria outras coisas bem ao estilo dele!

Beijocas