quinta-feira, maio 07, 2015

Os girassóis



Às vezes ouves-me chorar

não é fácil deixar a tua mão

De quarto em quarto

quem espera

o terror de não haver ninguém

As paisagens alteram-se sem resolução

narrativas imortais desaparecem

e os girassóis assim

vulneráveis a desconhecidas ordens

Tu estás tão perto

mas sofro tanto

porque não vejo

como possa falar de ti

entre dois ou três séculos


José Tolentino Mendonça

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Fatyly disse...

Uma imagem linda para um poema bem real. Gostei imenso!

Beijocas e um bom dia

FireHead disse...

Os girassóis são umas das flores que me metem medo. O facto de se mexerem é macabro! :)

Observador disse...

Os girassóis são úteis. Não é deles que se extrai o óleo de girassol? Ah pois é, cá está, óleo de girassol. Está feito :-)
Beijos

Diana Fonseca disse...

A ausência e a presença ao mesmo tempo, gostei!