sexta-feira, junho 12, 2015

Sabíamos do mar sem o sabermos



Sabíamos do mar sem o sabermos,
do mar dos mapas, da cor azul do mar,
dos naufrágios no mar,
do sol solto no mar.

Sabíamos do mar sem o sentirmos
nos poros dilatados pelo mar,
o verdejante mar escalando as montanhas
tão bruscas como o sal.

Sabíamos do mar em sinuosos sinos
assinalando a noite
com corações arrepiados,
abertos como mãos
sulcadas de cabelos e molhadas
de rugas e escamas.

Sabíamos do mar em signos, símbolos,
tropos e metáforas.
Sabíamos do mar?
Sabíamos o mar.
Sabíamos a mar

António Rebordão Navarro

Imagem retirada do Google

3 comentários:

FireHead disse...

O mar faz parte do português, é inevitável. Pelo mar, o povo se expandiu. Através do mar, Portugal se deu a conhecer. É graças ao mar que aqui estamos.

Beijinhos e bom fim-de-semana! :)

Fatyly disse...

Desconhecia e o final está simplesmente fabuloso. Gostei imenso!

Beijocas e um bom serão

Observador disse...

E foi por mar que roubámos o ouro aos brasucas.

Mais a sério, o texto está bem conseguido.
Beijos