terça-feira, junho 07, 2011

As rosas



Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os meus dentes
Todo o luar das noites tranparentes,
Todo o fulgor das tardes luminosas,
O vento bailador das Primaveras,
A doçura amarga dos poentes,
E a exaltação de todas as esperas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Foto:Eli

4 comentários:

Paula Raposo disse...

Lindíssimo!!

Observador disse...

Muito bonito.

Fatyly disse...

E senti o cheiro das rosas. Muito bonito e com imensa ternura.

Beijocas

ZezinhoMota disse...

Bonita escolha...

Com admiração e as minhas saudações poéticas.

ZezinhoMota

"O Dia Mundial da Criança"
A Poesia do Zezinho II
http://zezinhomota1.blogspot.com