segunda-feira, março 08, 2010

As duas velhas



São duas velhas, lado a lado, no café.
Não se olham: certezas em cada uma.
A da direita: dedos no ar ao ritmo das queixas.
O ar, dócil, percebe estas velhas: em poucos anos
serão suas companheiras.
Chama-lhes irmãs pequenas, ingênuas.
As velhas prosseguem vivas e a falar de dinheiro.
Deus é interrompido pelo preço do arroz, nas conversas.
Descrevem a doença, a fraqueza e, logo a seguir, acusam
de impiedade quem ainda não é tão doente quanto elas.
Alguém as enganou.
Provavelmente sacrificam a vida pelos filhos;
esperaram pelo futuro.
Agora ele chegou e a única novidade que traz é o cansaço;
a dificuldade de movimentos,
a maneira como facilmente se esquecem do que ainda ontem
consideravam imprescindível.
Não vão morrer, hoje, já, porque não trouxeram o coração.
Voltarão, mais tarde, a casa e às orações,
depois de desejarem intimamente que os filhos se tornem ricos
e que a amiga morra primeiro.

Gonçalo M. Tavares

Imagem retirada do Google

4 comentários:

Paula Raposo disse...

Excelente Gonçalo M.Tavares!!
Beijos.

polittikus disse...

Não conhecia, mas gostei muito...

Fatyly disse...

Não conhecia e achei fantástico com um final surpreendente que me fez sorrir:)

Beijocas e um bom dia

Nilson Barcelli disse...

Fizeste uma bela escolha. Do texto e da foto.
Querida amiga, um beijo.