sábado, março 28, 2015

Julian Lennon - Stand By Me (Live 2011)



Incríveis as parecenças com o pai.

Curiosamente temos a mesma idade:)

domingo, março 22, 2015

The Clash - Should I Stay Or Should I Go (Live)



Uma das músicas da minha vida, que continuo a adorar, sabe lá Deus porquê:))))

quarta-feira, março 18, 2015

Concerto dos Tindersticks



Impossível dizer até que ponto

a rapidez de tudo

atinge as passagens na sua certeza

o significado dos instintos

desde muito cedo

os modos de travessia, os receios

imagens em que não pensamos

pela noite tua voz descreve

isso de nós que não tem defesa

um amor

largado às sombras, irreconhecível

até de perto

dizem que se tratou de

derivas, ingenuidades, ilusões

o teu amor é um nome qualquer

que parte.


José Tolentino Mendonça

Imagem retirada do Google

segunda-feira, março 16, 2015

O nome dos gatos



Dar nome aos gatos é assunto complicado,
Não é apenas um jogo que divirta adolescentes; 
Podem pensar, à primeira vista, que sou doido desvairado
Quando eu digo, um gato deve ter TRÊS NOMES DIFERENTES.
Primeiro, temos o nome que a família usa diariamente,   
Como Pedro, Augusto, Alonso ou Zé Maria, 
Como Vitor ou Jonas, Jorge ou Gui Clemente –    Todos nomes sensíveis para o dia-a-dia. 
Há nomes mais requintados se pensam que podem soar melhor, 
Alguns para os cavalheiros, outros para titia:
Como Platão, Demetrius, Electra ou Eleonor – 
Mas todos eles são sensíveis nomes de todo dia.
Mas eu digo, um gato precisa ter um nome que é particular, 
Um nome que lhe é peculiar, e que muito o dignifica,
De outro modo, como poderia manter sua cauda perpendicular,  
Ou espreguiçar os bigodes, orgulhar-se de sua estica?
Dos nomes deste tipo, posso oferecer um quórum,   
Como Munkustrap, Quaxo, ou Coricopato, 
Como Bombalurina, ou mesmo Jellylorum –    
Nomes que nunca pertencem a mais de um gato. 
Mas, acima e para além, ainda existe um nome a suprir, 
E este é o nome que você jamais cogitaria;
O nome que nenhuma investigação humana pode descobrir –    
Mas O GATO E SOMENTE ELE SABE, e nunca o confessaria. 
Se um gato for surpreendido com um olhar de meditação,    
A razão, eu lhe digo, é sempre a mesma que o consome: 
Sua mente está engajada em uma rápida contemplação    
De lembrar, de lembrar, de lembrar qual é o seu nome:        
Seu inefável afável        
Inefavefável 
Oculto, inescrutável e singular Nome. 

T. S. Eliot

Imagem retirada do Google

sábado, março 14, 2015

Brazi caboco



O qui é Brasí Caboco?
É um Brasi diferente
do Brasí das capitá.
É um Brasi brasilêro,
sem mistura de instrangero,
um Brasi nacioná!
É o Brasi qui não veste
liforme de gazimira,
camisa de peito duro,
com butuadura de ouro...
Brasi caboco só veste,
camisa grossa de lista,
carça de brim da "polista"
gibão e chapéu de coro!
Brasi caboco num come
assentado nos banquete,
misturado cum os home
de casaca e anelão...
Brasi caboco só come
o bode seco, o feijão,
e as veiz uma panelada,
um pirão de carne verde,
nos dias da inleição
quando vai servi de iscada
prus home de posição.
Brasi caboco num sabe
falá ingrês nem francês,
munto meno o português
qui os outros fala imprestado...
Brasi caboco num inscreve;
munto má assina o nome
pra votar pru mode os home
Sê gunverno e diputado
Mas porém. Brasi caboco,
é um Brasi brasileiro,
sem mistura de instrangero
Um Brasi nacioná!
É o Brasi sertanejo
dos coco, das imbolada,
dos samba, dos vialejo,
zabumba e caracaxá!
É o Brasi das vaquejada,
do aboio dos vaquero,
do arranco das boiada
nos fechado ou tabulero!
É o Brasi das caboca
qui tem os óio feiticero,
qui tem a boca incarnada,
como fruta de cardoro
quando ela nasce alejada!
É o Brasi das promessa
nas noite de São João!
dos carro de boi cantano
pela boca dos cocão.
É o Brasi das caboca
qui cum sabença gunverna,
vinte e cinco pá-de-birro
cum a munfada entre as perna!
Brasi das briga de galo!
do jogo de "sôco-tôco"!
É o Brasi dos caboco
amansadô de cavalo!
É o Brasi dos cantadô,
desses caboco afamado,
qui nos verso improvisado,
sirrindo, cantáro o amô;
cantando choraro as mágua:
Brasi de Pelino Guedes,
de Inácio da Catingueira,
de Umbelino do Texera
e Romano de Mãe-d'água!
É o Brasi das caboca,
qui de noite se dibruça,
machucando o peito virge
no batente das jinela...
Vendo, os caboco pachola
qui geme, chora e soluça
nas cordas de uma viola,
ruendo paxão pru ela!
É esse o Brasi caboco.
Um Brasi bem brasilero,
sem mistura de instrangêro
Um Brasía nacioná!
Brasi, qui foi, eu tô certo
argum dia discuberto,
pru Pêdo Arves Cabrá.
Zé da Luz
Imagem retirada do Google

quinta-feira, março 12, 2015

Epitáfio



Barcos ou não
ardem na tarde.
No ardor do verão
todo o rumor é ave.
Voa coração.
Ou então arde.
Eugénio de Andrade
Imagem retirada do Google

terça-feira, março 10, 2015

A presença mais pura



Nada no mundo mais próximo

mas aqueles a quem negamos a palavra

o amor, certas enfermidades, a presença mais pura

ouve o que diz a mulher vestida de sol

quando caminha no cimo das árvores

“a que distância da língua comum deixaste

o teu coração?”

a altura desesperada do azul

no teu retrato de adolescente há centenas de anos

a extinção dos lírios no jardim municipal

o mar desta baía em ruínas ou se quiseres

os sacos do supermercado que se expandem nas gavetas

as conversas ainda surpreendentemente escolares

soletradas em família

a fadiga da corrida domingueira pela mata

as senhas da lavandaria com um “não esquecer” fixado

o terror que temos

de certos encontros de acaso

porque deixamos de saber dos outros

coisas tão elementares

o próprio nome

ouve o que diz a mulher vestida de sol

quando caminha no cimo das árvores

“a que distancia deixaste

o coração?”


José Tolentino Mendonça

Imagem retirada do Google

sexta-feira, março 06, 2015