sexta-feira, agosto 31, 2012

Vê como o verão



Vê como o verão
subitamente se faz água
no teu peito,

e a noite se faz barco,

e minha mão marinheiro.

Eugénio de Andrade

Imagem retirada do Google

quinta-feira, agosto 30, 2012

V



Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Talvez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo.

Pablo Neruda


Imagem retirada do Google

quarta-feira, agosto 29, 2012

Coldplay-Princess of China feat. Rihanna



PS:Desligar o som do blog no lado direito.

terça-feira, agosto 28, 2012

Acabaram as atualizações

Por agora ficam assim, porque já estou vesga de tantos modelos e de personalizar tanta coisa:)

Atualizações

Como podem ver estou a atualizar os blogs.

Peço-vos paciência para também atualizar os links.

Obrigada

segunda-feira, agosto 27, 2012

3 D sem lentes ou óculos especiais

http://www.youtube.com/watch_popup?v=EEu42L0ufBY

Fabuloso!

PS:Recebido por email

The Clash - Should I stay or should I go?!



Este grupo lançou esta música em 1982.

Mal a ouvi, adorei- não só a música como a letra.

Dancei-a muitas vezes e em várias ocasiões da minha vida, menos boas, sem me aperceber, dava por mim a cantar "Should I stay or should I go?!":)

É engraçado o que certas músicas nos fazem para a envolvermos com sentimentos, ou vice-versa:)

PS:desligar o som do blog no lado direito.

sábado, agosto 25, 2012

Haiku



Será mais bela a noite acesa?
sussurra a voz dela
prolongando o crepúsculo.


Etsujin

Imagem retirada do Google

quinta-feira, agosto 23, 2012

Outono



Largo silêncio amadurece o Outono.
o coração das folhas em letargo.
de alcantilado bosque cai no sono
O parque. Modorra a luz no lago.
E a natureza ali rendida à calma
escuta, toda ouvidos num nenúfar,
rumores da Eternidade que a sua alma
Antiga toca numa cana-de-açúcar.

Natália Correia

Imagem retirada do Google

terça-feira, agosto 21, 2012

Amo o teu túmido candor de astro




a tua pura integridade delicada 
a tua permanente adolescência de segredo 
a tua fragilidade acesa sempre altiva 
Por ti eu sou a leve segurança de um peito 
que pulsa e canta a sua chama 
que se levanta e inclina ao teu hálito de pássaro 
ou à chuva das tuas pétalas de prata 
Se guardo algum tesouro não o prendo 
porque quero oferecer-te a paz de um sonho aberto 
que dure e flua nas tuas veias lentas 
e seja um perfume ou um beijo um suspiro solar 
Ofereço-te esta frágil flor esta pedra de chuva 
para que sintas a verde frescura 
de um pomar de brancas cortesias 
porque é por ti que vivo é por ti que nasço 
porque amo o ouro vivo do teu rosto 


António Ramos Rosa

Imagem retirada do Google

domingo, agosto 19, 2012

Noutra praia




Mas tu pensas 
que o mar te não esqueceu: 
por isso voltas cada ano a esta praia 
onde tudo o que permanece te ignora; 
e encaras o mar como se fosses tu, 
ainda tu, 
quem recebe na face a mudança dos ventos 

Luís Filipe Castro Mendes

Imagem retirada do Google

sexta-feira, agosto 17, 2012

quarta-feira, agosto 15, 2012

Na mão, em dedos leves




Na mão, em dedos leves e suspensos, 
Sentir o fluido peso que se esquiva. 

Ou, com dedos recurvos que se tocam, 
Cingir musculaturas delicadas. 

Ou, prolongando em dedos a mão toda, 
Medir quanto de carne ali se amplia. 

A mão conhece o que mal olhos vêem

Jorge de Sena

Imagem retirada do Google

segunda-feira, agosto 13, 2012

Meio-dia



Meio-dia. Um canto da praia sem ninguém. 
O sol no alto, fundo, enorme, aberto, 
Tornou o céu de todo o deus deserto. 
A luz cai implacável como um castigo. 
Não há fantasmas nem almas, 
E o mar imenso solitário e antigo, 
Parece bater palmas. 

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem retirada do Google

sábado, agosto 11, 2012

Previsível



um dia   sol
flores azuis e poesia

outro    chuva
silêncio e espinhos

sem meio termo
ou trovoadas

mera meteorologia

Márcia Maia

Imagem retirada do Google

quinta-feira, agosto 09, 2012

Um amor



Aproximei-me de ti; e tu, pegando-me na mão.
puxaste-me para os teus olhos
transparentes como o fundo do mar para os afogados. Depois, na rua,
ainda apanhámos o crepúsculo.
As luzes acendiam-se nos autocarros; um ar
diferente inundava a cidade. Sentei-me
nos degraus, do cais, em silêncio.
Lembro-me do som dos teus passos,
uma respiração apressada, ou um princípio de lágrimas,
e a tua figura luminosa atravessando a praça
até desaparecer. Ainda ali fiquei algum tempo, isto é,
o tempo suficiente para me aperceber de que, sem estares ali,
continuavas ao meu lado. E ainda hoje me acompanha
essa doente sensação que
me deixaste como amada
recordação.

Nuno Júdice

Imagem retirada do Google

terça-feira, agosto 07, 2012

Trago na palma da mão a luz diurna



Trago na palma da mão a luz diurna: e a ferida no flanco.
O meu deus, o meu demónio, respira fundo e alto.
Ela, a minha múltipla companheira,
é uma coluna silenciosa e ardente.
A luz sela esta aliança entre o sopro e a matéria
e uma voz se eleva nos barcos do silêncio.

António Ramos Rosa

Imagem retirada do Google

domingo, agosto 05, 2012

Mundo



Poderia falar da madrugada
-o tempo mágico-
e das vozes perdidas
entre gargalhadas
e sons inaudíveis.
Poderia falar da noite
que vem sempre
-inexorável e premente-
deitar-se connosco.
Mas, hoje, só posso falar
de saudade, de beijos;
imponderáveis e devaneios,
que me levam
-entre abraços e carícias-
ao fim do Mundo!

Paula Raposo, in "O Laço Impenetrável do Silêncio", pág.43, Chiado Editora

Imagem retirada do Google

sexta-feira, agosto 03, 2012

quarta-feira, agosto 01, 2012

Haiku




Trigo dourado
pelas mão do vento
é penteado



Carlos Seabra


Imagem retirada do Google